(21) 2522-0096

O número de infectados pelo novo coronavírus cresce a cada dia e, obviamente, isso tem impacto na rotina dos condomínios. Os síndicos, que já vinham tomando providências para evitar a propagação do vírus no prédio, devem redobrar os cuidados e a comunicação entre os moradores. Confirmado um caso de Covid-19 entre os condôminos,oadministradordevealertar ao restante dos moradores, seja por circular ou no grupo de WhatsApp.

Havendo um caso de infecção no prédio, a limpeza e a higienização das áreas comuns do edifício deve ser intensificada, assim como as medidas de isolamento social, evitando-se ao máximo aglomerações, principalmente no que se refere à circulação pelos corredores, hall social e elevadores — afirma Dayse Imenes, sócia do escritório Sender Advogados Associados.

Responsável pela administraçãodedezcondomínios,osíndico profissional Lucas Tostes já teve confirmação de moradores com a doença provocada pelo coronavírus, e diz que tal informação sem- pre gera um estresse.

            As pessoas ficam num certo pânico. Mandamos uma comunicação informando que o morador, se for contaminado, tem a obrigação de avisar ao síndico. A partir daí, envio uma notificação com as recomendações necessárias (ficar em isolamento por 14 dias, não circular pelas áreas comuns do prédio), com alerta de que,sehouverdescumpri mento, ele pode ser penalizado criminalmente.

Algumas pessoas ficam receosas de comunicar que foram infectadas, por não saberem qual será a reação dos seus vizinhos. Porém, salienta Anna Clara Martinelli, sócia da Global Administradora, é importante dividir essa informação para reforçarasmedidasdeprevenção e desinfecção. 

Importante: o sigilo deveser preservado, e o nome do morador só pode ser revelado com autorização do próprio.

O referido comunicado não pode ter a intenção de constranger qualquer morador, e deve ser claro quanto à importância de todosseremsolidáriosaoenfermo neste momento tão difícil — diz Sylvia Ca- marinha, especialista em Direito Imobiliário e sócia do escritório Lima Feigel- son Advogados.

FUNCIONÁRIOS INFECTADOS

Se houver casos de funcionários do prédio com coronavírus, a orientação é que o síndico deverá afastá-los até que eles se recuperem, garantindo seus salários, explica Sylvia Camarinha:

— A recomendação do Ministério da Saúde é do afastamento por, pelo menos, 15 dias, com o acompanhamento por um profissional de saúde.

No caso de o funcionário residir no edifício, o síndico deve adotar a mesma medida que usaria para um condômino infectado: solicitar que o empregado fique em quarentena e evite circular emáreascomunsdoprédio

Fonte:O Globo